Obrigado pela visita!!!

sexta-feira, 23 de julho de 2010

RANCHO FOLCLÓRICO DE ORGENS - VISEU - BEIRA ALTA



Orgens é uma das 34 freguesias do concelho de Viseu. É, na actualidade, uma freguesia urbana já que foi absorvida pelo crescimento natural da cidade de Viseu. O Rancho Folclórico de Orgens é o movimento associativo mais duradoiro de toda a freguesia e responsável pela sua evolução sócio-cultural. A forma organizada do Rancho surge em 1938, pela mão de Carlos Oliveira Coelho, e nessa altura dava pelo nome de "Rancho Folclórico Flores da nossa Aldeia". O Rancho de Orgens mantém a pureza do Cancioneiro de Viseu e recria com fidelidade esses gestos e atitudes do viver antigo, centrado nos valores criados pela ruralidade das suas gentes. O Rancho é parte constituinte do Centro Social Cultural Desportivo e de Defesa
do Património de Orgens, encontrando-se registado na Federação do Folclore Português e é também associado do INATEL. Este rancho, canta e dança o produto da recolha feita no seu território, cujos limites abarcam arretos dos alqueves da terra beirã, o que só valoriza e expande. Ainda hoje, o Rancho Folclórico de Orgens, relembra as suas festas mais tradicionais actuando para comemorar essas festividades que se prolongam para lá das tradições e dos tempos. O Rancho Folclórico de Orgens tem mantido os seus costumes que vão de encontro à riqueza histórica em que a freguesia de Orgens se insere, pretende levar a toda a gente, através das suas actuações, um pouco da cultura tradicional duma forma viva e actuante, como se fora um Museu Itinerante. O Festival de Folclore de Orgens é realizado anualmente no último domingo do mês de Julho. O Rancho de Orgens é parte integrante e fundadora do EIRANÇAS - Companhia Nacional de Danças da Beira a par do Grupo os Serranos de Belazaima - Águeda e do Rancho do Brinca - Coimbra. O Centro Social e Cultural de Orgens abriga o Rancho Folclórico e a sua Tuna Regional e tem a sua sede no Lote 6 do Olival - Orgens-Viseu.
**********************************

quinta-feira, 22 de julho de 2010

GRUPO REGIONAL DE DANÇAS E CANTARES DO MONDEGO - COIMBRA - BEIRA LITORAL


Com o objectivo de representar a sua identidade social e cultural, em Abril do ano de 1977 fundou-se o Grupo Regional de Danças e Cantares do Mondego.
Inserido no Distrito de Coimbra, este grupo orgulha-se de ser uma prova viva de que a tradição, os usos e os costumes não se podem deixar esquecer.
Filiado no INATEL e membro efectivo da Federação do Folclore Português, o Grupo Regional de Danças e Cantares do Mondego, é composto nos dias de hoje por 48 elementos.
Desde cedo que o êxito das suas representações se evidenciou, e a prová-lo está a enorme lista de representações quer nacionais, quer internacionais.
A nível nacional tem atuações em todo Portugal Continental mais Ilhas. Tem representações em diversos Cortejos Histórico-Etnográficos da região de Coimbra, Cortejos Históricos comemorativos dos 650 anos da morte de Inês de Castro, três actuações no Casino do Estoril, participação no programa da RTP- Praça da Alegria, participação no Festival do C.O.F.I.T. na Ilha Terceira, representação no Festival da Camacha na Madeira, e muitas participações em vários festivais organizados em Portugal.
No que diz respeito a representações internacionais, este grupo tem o orgulho de representar Portugal por diversas vezes nos muitos eventos em que participa.
Temos então representações em França, na Bélgica, em Espanha, na Holanda, na Alemanha, na Áustria e na Eslovénia.
Todas estas deslocações ao estrangeiro originaram a que o Grupo Regional de Danças e Cantares do Mondego dignificasse a sua bandeira além fronteiras.
Este grupo representa um povo com um carácter muito particular. A convivência constante com a cultura rural e citadina, moldaram o caráter de um povo onde se misturava harmoniosamente a serenidade do campo com o fervilhar da cidade.
Nesta combinação se reflectiam nas formas de trajar, cantar e dançar, bem como usos e costumes que, de geração em geração, foram chegando grande parte deles até aos nossos dias. É esse trabalho de divulgação que cabe hoje em dia ao Grupo Regional de Danças e Cantares do Mondego, nunca deixando assim cair no esquecimento os costumes das suas gentes.
Trajes: Camponeses da margem esquerda, Camponeses da margem direita, Mondadeira de Arroz, Lavradores Abastados, Senhores Ricos, Noivos, Traje de ir à Cidade, de ir à Feira, Vendedeiras, Traje de Festa, Tricanas dos Arrabaldes e da Cidade e Tricana de Coimbra.

sexta-feira, 16 de julho de 2010

ADUFE


Adufe, instrumento musical português. É um pandeiro bimembranofone quadrangular. No seu interior são colocadas sementes ou pequenas soalhas a fim de enriquecer a sonoridade. Os lados do caixilho medem aproximadamente 45 centímetros. O adufe é segurado pelos polegares de ambas as mãos e pelo indicador da mão direita, deixando deste modo os outros dedos livres para percutir o instrumento.

Foi introduzido pelos árabes na península Ibérica entre os séculos VIII e XII. Hoje, encontra-se essencialmente concentrado no centro-leste de Portugal (distrito de Castelo Branco), onde é executado exclusivamente por mulheres, acompanhando o canto sobretudo por ocasião das festas e romarias.

Na tradição oral, nomeadamente nos versos de algumas canções que são acompanhadas pelo adufe, é referida a madeira do instrumento como sendo de "pau de laranjeira". Esta referência, de certo simbólica pela ligação entre a flor de laranjeira e o matrimónio, é reforçada por outra particularidade da construção do instrumento que refere ser a pele de uma das membranas de um animal macho e a outra de um animal fêmea. Dizem as tocadoras de adufe que a razão de ser desta diversidade se traduz na harmonia do instrumento e na maneira como ele soa. Este testemunho dá pistas para a iconografia mágica ligada ao instrumento, à sua construção e mesmo à sua utilização, que tradicionalmente era reservada a executantes femininos.

Também a sua forma quadrada, ao tornar mais difícil a manutenção da pele esticada, levanta questões sobre o carácter simbólico do instrumento e acentua a sua particularidade face ao "bendir" árabe ou ao "bodrum", seu congénere céltico.
Na Beira Baixa, sobretudo no distrito de Castelo Branco (7000 km2), o adufe é ainda na primeira metade de século XX o instrumento fundamental da região; ele ouve-se ali a acompanhar toda a espécie de cantares, profanos e festivos, danças e canções de trabalho; e outros de carácter religioso e de romaria. Trata-se porém de um instrumento festivo. O repertório é de uma extraordinária riqueza pela variedade de ritmos, por vezes muito complexos.O adufe é empunhado bastante alto, em frente à cara, com um canto para cima, segurado por um lado, entre as pontas do polegar e do indicador esquerdo sobre as peles de cada face (sem encostar o resto da mão), e mais a meio do aro, apoiado do outro lado contra o polegar da mão direita sobre o aro. Os dedos de cada mão batem sempre ao mesmo tempo, mas ficam soltos.
O interesse por este instrumento cresceu particularmente após o concurso criado pelo Secretariado de Propaganda Nacional do Estado Novo em 1938: o concurso da "Aldeia mais Portuguesa de Portugal". Monsanto e Paúl eram as duas aldeias representes desta região, e Monsanto ganhou. Durante o processo do concurso e depois, os registos do material musical intensificaram-se.
Indicação: Instrumentos Populares Portugueses (3ª Edição)