Obrigado pela visita!!!

sexta-feira, 23 de maio de 2014

GRUPO FOLCLÓRICO DE SOUTO - GUIMARÃES

Fundado em 17 de Maio de 1959, este grupo tem sido o intérprete das tradições das gentes da margem esquerda do rio Ave, preservando com rigor e fidelidade os seus usos e costumes. Trajam e dançam como outrora o faziam as gentes da região, defendendo o património cultural do Baixo Minho. O Souto é uma terra com particular incidência na agricultura, atualmente mais virada para a indústria de vestuário e bordados. Esta localidade orgulha-se de possuir na sua área geográfica o Mosteiro do qual a primeira referência documental remonta a Julho do ano 950. O Grupo Folclórico de Souto tem participado em festivais folclóricos nacionais do Minho ao Algarve e Internacionais. É membro efetivo da Federação de Folclore Português e do INATEL.


terça-feira, 20 de maio de 2014

RANCHO FOLCLÓRICO DAS LAVRADEIRAS DA TROFA - DOURO LITORAL.




O Rancho das Lavradeiras da Trofa, surge pela mão de Maria Augusta Oliveira Reis, a 2 de Março de 1961, como consequência de um trabalho iniciado em 1946, de pesquisa, recolha, e preservação dos usos e costumes da região que representa.
A Trofa, situada no topo do Douro Litoral (onde o Minho acaba e o Douro começa), estende-se pelo alongado vale de Bougado, onde corre o rio Ave.
Recebe a brisa marinha das praias de Vila do Conde e Póvoa de Varzim, que ficam a cerca de 18 Km. Tem rápidos acessos ao Porto de onde dista cerca de 20 Km. Outrora terra essencialmente agrícola, a Trofa de hoje é um centro comercial, industrial e de serviços, considerável.
O Rancho das Lavradeiras da Trofa, é portador de uma vasta colecção de trajos, representando extractos sociais e profissões, de uma época situada entre o séc. XIX e início do séc. XX.

Podem ver-se Trajos de Festa de Lavradores ricos e de condição mais modesta, e de trabalho do campo ou outro; trajos que aparecem conforme a sua representação.
Além de ter percorrido o País de norte a sul, participando em festivais e romarias, hotéis e festas particulares, esteve presente em: Espanha - Santiago de Compostela, Caldas dei Rey, Oviedo, Avilez e Ourense Itália - Gorízia; Açores - ilhas Terceira, Pico e S. Jorge; França - Lê Puy en Velay e Niort; Brasil - Gravataí, Rio Grande do Sul e Ilha da Madeira. A sua actividade assenta, em recolhas efectuadas, por pessoas de gerações muito anteriores às do actual Rancho. Baseando-se nestas e em obras de Alcino Rodrigues e de Alberto Pimentel, vem apresentando quadros de Festa, Lazer e Trabalho, com o objectivo de mostrar a vivência das gentes de outrora, tentando reproduzir momentos que se perderam, que jamais se reviverão e que ficaram apenas na memória de alguns.
Está filiado no INATEL, é membro da Federação do Folclore Português desde a sua fundação, é sócio da Academia das Colectividades do Distrito do Porto e da Federação de Apoio a Festivais Internacionais de Folclore (FAFIF). Pela apresentação dos seus trajos e na interpretação das suas danças e cantares bem como na representação de quadros tradicionais, pretende assim, o Rancho das Lavradeiras da Trofa, ser um autêntico museu vivo, da sua região.