Obrigado pela visita!!!

terça-feira, 15 de fevereiro de 2011

VENDEDEIRA DE FOGAÇA - SANTA MARIA DA FEIRA



Usava chinelos ou tamancos (conforme íam vender para as zonas mais urbanas e praias da região, ou para as feiras, mercados e pelas portas). Saia de estopa e avental de algodão, blusa de meio linho e lenço de lã ou algodão na cabeça. Tudo de côr branca. Cinta de pano de linho branco ou de lã preto, conforme as circunstâncias, algibeira em tecido grosseiro para guardar o dinheiro e objectos pessoais. À cabeça transportava o assafate cheio de fogaças, cobertas por uma toalha em linho com franjas.
Este trajo foi uma réplica do trajo usado pela última vendedeira de fogaça na Vila da Feira, que o guardava religiosamente até à sua morte, que ocorreu há uma década.
Créditos:Associação Grupo de Danças e Cantares Regionais da Feira

sábado, 5 de fevereiro de 2011

GRUPO FOLCLÓRICO DE TREGOSA - BARCELOS


O Grupo Folclórico de Tregosa foi fundado em 1984, está filiado no INATEL de Braga e é membro da Federação de folclore português.
O seu principal objectivo é pesquisar e salvaguardar os usos e costumes da sua terra Tregosa, O seu nome Tregosa vem de uma raízes ou plantas conhecidas por Torgas e que abundavam nesse local. O primeiro registo aparece como um povoado anterior ao século XII, mas só é registada como paróquia por volta do Ano de 1220, com o nome de Santa Maria de Tregosa.
Sendo uma pitoresca aldeia a norte do concelho de Barcelos, pertence à região etnográfica do Baixo – Minho, situada entre duas cidades ricas de tradições de folclore, Barcelos e Viana do Castelo.
Tregosa pertence a uma região com características bem peculiares, o vale do Neiva, como se pode constatar nos trajes

cantares e danças deste grupo de folclore.
Os trajes, património do grupo, fruto de uma recolha feita no vale do Neiva, são na sua maioria reproduções criadas a partir de trajes antigos, testemunhos e fotografias. São trajes humildes e de cores sóbrias, representam trajes denominados de “trabalho”, de “feira e romaria” e de “luxo”.
As músicas tal como os trajes surgem de uma recolha junto de pessoas idosas e/ou ligadas às tradições relacionadas com as danças e cantares usuais na freguesia, estas referem-se igualmente a actividades do meio rural.
Na sua tocata, o grupo integra instrumentos típicos da região, nomeadamente, as concertinas, os cavaquinhos, as violas, o bombo e os ferrinhos.
Actualmente é constituído por cerca de 60 elementos e desenvolve uma actividade dinâmica pesquisando e ensinando os mais novos.
Tem participado em vários festivais nacionais e internacionais, manifestações culturais e programas radiofónicos.
Tenta recuperar e divulgar eventos passados, como por exemplo no “Autos de São João, os arredas e a contradança; Jogos tradicionais, o cantar dos reis, as feiras tradicionais, a matança do porco, o encher das chouriças …
Nos finais do mês de Julho promove anualmente o seu festival de folclore denominado “Águas do Neiva” que conta com a participação de diversos grupos de várias regiões do país e estrangeiro. Este festival tem como particularidade o facto do palco estar colocado sob as límpidas águas do rio Neiva.
Danças Tradicionais: O Vira da Lealdade, A Margarida Moleira, A Aninhas, O Passeio, O Peneiras, A Viuvinha, O Vira de Aréfe, O Velho de Tregosa, A Rosinha, Vira de Tregosa, Vira do Minho, As Saias Brancas (cantada) e O São João de Tregosa (cantada).

quinta-feira, 3 de fevereiro de 2011

GRUPO TÍPICO O CANCIONEIRO DE ÁGUEDA - BEIRA LITORAL


Grupo Típico “O Cancioneiro de Águeda”
O Grupo Típico “O Cancioneiro de Águeda” é um dos mais antigos e prestigiados grupos folclóricos de Portugal. Foi fundado em 1958, por um conjunto de aguedenses que conscientes da enorme riqueza do folclore do concelho, fez um trabalho de recolha e pesquisa de uma parte importante do património desta região. Representa em termos de etnografia, desde as serranias das encostas do Caramulo, ao espraiar do espelho de água da Pateira de Fermentelos, da região do rio Vouga, ao encanto e pitoresco da Bairrada. Assim, nas suas danças, podemos encontrar uma diversidade, mercê da actividade laboral de toda esta região, passando naturalmente pelas de Salão que outrora foram vistas dançar nas grandes casas senhoriais que existiam no concelho. A nível de trajes e consoante o momento, a tarefa a desempenhar, aparece uma riqueza inaudita, não apenas nos tecidos de alguns deles, mas sobretudo na sua inúmera variedade e complementaridade. Desde 1959, o Grupo Típico, transformou-se num arauto da cultura popular aguedense, levando-a, através das suas múltiplas actuações a todo o país, às regiões autónomas dos Arquipélagos dos Açores e da Madeira, a alguns países da Europa, nomeadamente Espanha, França e Luxemburgo, Holanda e ainda ao Brasil e aos Estados Unidos da América. Refira-se que já participou em diversos programas televisivos, incluindo a gravação para a RTP internacional. É sócio fundador da Federação do Folclore Português e é filiado no INATEL. Desde 1992 é reconhecido como Pessoa Colectiva de Utilidade Pública, recebeu a Medalha de Honra Municipal e foi distinguido com o Judeu de Ouro 2000 pela ANATA. Teve o seu momento alto, quando em 2004 foi escolhido para representar Portugal na Hungria, na III.ª Folcloríada Mundial, certame que engloba os melhores e mais representativos Grupos. Além das danças e cantares, dos quais se destaca a Cana Verde Dobrada, O Vira de Macieira, a Real Caninha e o Malhão, são dignos de realce os seus trajes, réplicas fiéis dos autênticos que se encontram guardados para serem expostos no futuro museu.
**************